Capas para Facebook

Adicionar artigo ao twitter

Santo do dia 01 de Maio




Santo do dia 01/05

São José Operário

Basta traçar um paralelo entre a vida cheia de sacrifícios de São José, que trabalhou a vida toda para ver o Cristo dar a vida pela humanidade, e a luta dos trabalhadores do mundo todo, pleiteando respeito a seus direitos mínimos, para entender os motivos que levaram o Papa Pio XII a instituir a festa de "São José Trabalhador", em 1955, na mesma data em que se comemora o dia do trabalho.

Afinal de contas, naquele fatídico primeiro de maio, em Chicago, operários de uma fábrica se revoltaram com a situação desumana a que eram submetidos e com o desrespeito a qualquer direito natural de uma pessoa que os patrões demonstravam. Eram trezentos e quarenta em greve e a polícia, sempre a serviço dos patrões, massacrou-os sem piedade. Mais de cinqüenta ficaram gravemente feridos e seis deles foram assassinados no confronto desigual. Em homenagem a eles é que se consagrou este dia.

São José é o modelo ideal do operário. Sustentou sua família durante toda a vida com o trabalho artesanal, cumpriu sempre seus deveres para com a comunidade, ensinou ao filho a profissão de carpinteiro e, desta maneira suada e laboriosa, permitiu que as profecias se cumprissem e seu povo fosse salvo, assim como toda a humanidade.

Proclamando São José como protetor dos trabalhadores, a Igreja demonstra estar ao lado deles, dando-lhes como patrono o mais exemplar dos homens, aquele que aceitou ser o pai adotivo do Deus feito homem, mesmo pressentindo o que poderia acontecer à sua família. Em vida José lutou pelos direitos da vida humana e agora, coloca-se ombro a ombro na luta pelos direitos humanos dos trabalhadores do mundo, por meio dos membros da Igreja que aumentam as fileiras dos que defendem os operários e seu direito a uma vida digna.

 

São Peregrino Laziosi

Peregrino pertencia à família dos nobres Laziosi. Nasceu na cidade de Forlí, no norte da Itália, no ano 1265. Cresceu alí em meio à uma população conhecida pelo espírito reacionário e anárquico. Tornou um jovem idealista, de caráter intempestivo, recebendo o apelido de "furação".

Certa ocasião ocorreu um incidente grave num dos tumultos populares freqüentes, porque a população se dividia entre os que apoiavam as ordens do Papa e os que preferiam seguir as do imperador germânico. Foi quando a cidade recebeu um interdito do Papa Martino IV, como castigo pelas desordens e atitudes rebeldes. Houve séria reação entre as partes. Para acalmar os ânimos, o Papa pediu ao Superior geral dos Servitas, futuro Santo Filipe Benicío, que estava no mosteiro da cidade, para agir em seu nome e apaziguar os fiéis.

Era uma tarefa delicada. Filipe, então, usando o púlpito da igreja fez um discurso fervoroso solicitando a todos que obedecessem ao Sumo Pontífice. Foi quando um grupo liderado por Peregrino, então com dezoito anos, o ameaçou de agressão. O jovem foi mais longe, chegando a lhe dar um tapa no rosto. Filipe aceitou a ofensa. Depois Peregrino mobilizando a população com gritos fizeram com que fosse expulso da cidade.

Filipe saiu humilhado, mas rezando firmemente pela conversão dos agitadores e principalmente pelo jovem agressor. Deus ouviu sua prece. Pelegrino, caindo em si, sentiu arrependimento, vergonha e remorso. Ficou tão angustiado, que dias depois, foi procurar Filipe, para se prostrar a seus pés pedindo perdão.

Naquele instante Pelegrino estava convertido realmente. Mais tarde, aos trinta anos, ingressou na Ordem dos Servos de Maria, os Servitas, como irmão penitente. A tradição diz que foi próprio Filipe que entregou o hábito à Peregrino. Mas ao certo foi que ele enviou o arrependido agressor para fazer o noviciado em Sena. Só depois voltou para Forlí, onde no mosteiro exerceu o apostolado do bem semeando a paz.

Peregrino se distinguiu pela obediência ao regulamento, pela penitência e mortificação. Durante trinta anos, cumpriu uma penitência imposta à si mesmo: ficava sempre em pé, nunca se sentava. Quando atingiu os sessenta anos de idade, devido à isso, tinha uma ferida cancerosa na perna direita, causada por varizes.

Era tão grave seu estado de saúde, que o médico receitou a amputação da perna, para salvar sua vida. Porém, da véspera da operação, Peregrino acordou subitamente no meio da noite e sentiu que devia ir rezar na capela diante de Jesus crucificado. Assim fez, com muito esforço para caminhar, se ajoelhou e rezou com fervor pedindo que Cristo lhe concedesse a graça da cura. Foi envolvido por um êxtase contemplativo tão profundo, que viu Jesus descer da Cruz e tocar sua ferida. Uma vez refeito da visão, voltou para o leito e adormeceu. Na manhã seguinte o médico constatou que havia ocorrido um milagre. Peregrino estava sem nenhuma ferida, Jesus o havia curado.

O milagre só fez aumentar a veneração que os habitantes da cidade já lhe dedicavam. Pelegrino morreu no primeiro dia de maio de 1345, vítima de uma febre. Durante seus funerais dois milagres ocorreram e foram atribuídos à sua intercessão. Seu culto se estendeu pelo mundo todo rapidamente, pois os fiéis recorrem à ele como padroeiro dos doentes cancerosos.

Em 1726, foi canonizado pelo Papa Bento XIII, sendo o dia de sua morte o indicado para celebrar a sua memória, quando também se comemora São José, operário. Por isso sua festa pode ocorrer nos primeiros dias do mês de Maria. A relíquia do manto de Santo Peregrino Laziosi é conservada à veneração dos fiéis brasileiros, na igreja de Nossa Senhora das Dores, no bairro do Ipiranga, em São Paulo.