Capas para Facebook

Adicionar artigo ao twitter

Santo do dia 12 de Maio




Santo do dia 12/05

Santa Joana

Santa Joana era a primeira filha de Dom Afonso V, e a ela cabia por herança, o reino de Portugal, nasceu no dia 6 de fevereiro do ano 1462. Órfã de mãe aos 15 anos, tomou os encargos do governo da casa real. Passava suas noites em oração. Jejuava freqüentemente e como divisa ou insígnia real usava uma coroa de espinhos e também só dormia no chão.

Os pobres, os enfermos, os presos, os religiosos viam nela a sua protetora e amparo. Tinha um livro onde anotava nomes de todos os necessitados, grau de pobreza de cada um e o dia que tinha que dar a esmola. Por ocasião da semana santa, ela lavava os pés de doze mulheres, dando-lhes roupas, alimento e dinheiro.

Durante todo seu reinado o assédio de príncipes desejando casar-se com Joana era freqüente, dispensado a todos delicadamente, explicando que somente Jesus era dono de seu coração. No ano de 1471, recolheu-se para o mosteiro de Odívelos, posteriormente indo para o mosteiro de Aveiro onde viveu despojada de tudo.

Santa Joana morreu vítima de uma dolorosa doença no dia 12 de maio do ano 1490.
 

São Pancrácio

As catacumbas romanas atraem devotos e turistas de todo o mundo. Ali estão enterrados os santos dos primeiros anos do catolicismo. Entre eles, do adolescente Pancrácio, com as inscrições confirmando o seu martírio.

Pancrácio nasceu em Roma, filho de pais cristãos, nobres, ricos e amigos do imperador Diocleciano. Órfão, ainda muito criança, foi morar com um tio chamado Dionísio. Com o seu apoio conseguiu estudar em Roma, indo morar na mesma casa onde fazia seu retiro o Papa Marcelino, que respeitava Pancrácio por sua modéstia, doçura, piedade e profunda fé.

Mas, como a perseguição de Diocleciano não dava tréguas a cristão nenhum, Pancrácio, então com catorze anos de idade, e seu tio Dionísio foram denunciados e levados a júri.

O tio foi imediatamente morto. Pancrácio ainda mereceu uma certa consideração do imperador. Afinal, estava na flor da idade e era filho de alguém que havia sido seu amigo. Diocleciano tentou envolver Pancrácio com promessas, astúcias e, finalmente, ameaças. Nada deu resultado. Como o adolescente respondia a tudo afirmando que não temia a morte, pois o levaria direto a Deus, o imperador perdeu a paciência e mandou logo decapita-lo. Era o dia 12 de maio de 304.

O seu túmulo se encontra numa das estradas mais famosas de Roma, a via Aurélia, no cemitério de Ottavilla, onde no século VI o Papa Símaco mandou erguer uma igreja em sua homenagem, existente até hoje. Há muitas outras igrejas em louvor a São Pancrácio na Itália, França, Inglaterra e Espanha, onde seu culto se difundiu. À ele também foram dedicados os mosteiros de Roma, fundado por São Gregório Magno e o de Londres fundado por Santo Agostinho de Canterbury.

A fama de santidade de São Pancrácio, se espalhou e sua devoção é muito intensa até hoje. Ele é o padroeiro dos enfermos, na Itália; padroeiro dos trabalhadores, na Espanha e padroeiro da Juventude da Ação Católica, na América Latina.