Capas para Facebook

Adicionar artigo ao twitter

Santo do dia 16 de Outubro




Santo do dia 16/10

S. Geraldo Majela

São Geraldo Majela nasceu em 1726, filho de modesto alfaiate, Domingos Majela e de Benedita Cristina Galella, foi o quinto filho do casal. Ficou orfão de pai com apenas 12 anos de idade, e tornou-se aprendiz de alfaiate. Quis ser capuchinho mas como era magro e fraco, foi -lhe recusada a acolhida. Em 1741, pôs-se a serviço do Bispo de Lacedônia. Sentiu-se então atraído pela Congregação do Santíssimo Redentor, fundada havia 15 anos por Santo Afonso de Ligório. Durante o postulantado foi acometido de muitos escrúpulos. No dia 21 de Setembro, recebia grandes luzes do Espírito Santo; Nesse dia fez o voto de fazer tudo o mais perfeitamente possível.

Em 1574, Lacedônia sofreu uma epidemia e foi afligida por muitos escândalos, Geraldo realizou milagres edificantes, que converteram muitas pessoas. Nesse mesmo tempo, uma jovem, perversamente, o caluniou odiosamente.

Santo Afonso, diante do silêncio de Geraldo, proibiu-lhe a receber a comunhão e também todo relacionamento com pessoas de fora. Pouco depois transferia-o para Caposela. A proibição da comunhão era muito sofrida para ele e tentava consolar-se dizendo:"Eu o trago no coração. O Senhor deseja punir-me pelo pouco amor que lhe dedico, por isso, foge de mim. Não o perdferei, contudo, jamais do meu coração." Após muito tempo, a jovem caluniadora se retratou a Santo Afonso que imediatamente suspendeu a punição, podendo então Geraldo voltar a sua comunhão cotidiana.

São Geraldo Majela pouco antes de morrer disse: "Olhai irmão, todos estes escapulários em redor do quarto ". Contemplava seu crucifixo e uma imagem de Nossa Senhora, diante dele.

 

Santa Margarida Maria Alacoque

Na bonita região francesa de Borgonha, Margarida Maria nasceu em 22 de julho de 1647, na modesta família Alacoque. Teve uma juventude difícil, ao lado dos pais, que pelo excesso de afeto traçaram a meta de vida da filha, calcada sobre as próprias ambições mundanas.

Recebeu toda formação cultural e religiosa, desde a infância, das monjas clarissas. Depois vieram as dificuldades, primeiro o pai faleceu. Logo em seguida, contraiu uma doença não identificada, que a manteve na cama por um longo período. Como nada na medicina curava o seu mal, Margarida, então, prometeu a Nossa Senhora, entregar todos os seus dias a serviço de Deus, caso recuperasse a saúde. Para sua própria surpresa, logo retornou à sua vida normal. Convencida da intervenção da Providência Divina em favor de sua vida terrena. Aos vinte e quatro anos de idade, entrou para a Ordem da Visitação, fundada por São Francisco de Sales.

Tomou o nome de Margarida Maria fez o seu noviciado, um tempo de iluminação e sofrimento. Rezando e contemplando Jesus Eucarístico, passou a dialogar com o próprio Cristo, que lhe expôs o coração dilacerado e fez revelações sobre a necessidade de mais amor e devoção à Eucaristia.

Estas experiências místicas foram severamente contestadas pelos religiosos e religiosas da sua época. Esta pobre monja foi testada e provada de todas as maneiras possíveis e várias vezes, para comprovar suas narrativas. A humanidade, nesta época, estava assolada pela peste e tremia diante da eminência da morte. O coração do povo era levado à um "Deus duro do castigo". Mas, as visões e mensagens de Margarida Maria, não, apontavam para o "Deus do amor e da salvação", o que gerava uma forte oposição.

O padre jesuíta Cláudio de La Colombière, porém, respeitado estudioso das manifestações dos sinais de Deus, verificou que a mensagem que ela transmitia era verdadeira. Com o seu apoio e orientação espiritual, as experiências místicas de Margarida Maria começaram a ser vistas de outra maneira. Aos poucos esta mensagem era assimilada por todos os conventos da Visitação, assim como pelo clero. O culto ao Sagrado Coração de Jesus começou a ser difundido também entre os fieis. Até que ela própria, antes de morrer, pôde ver muitos de seus críticos cultuando e propagando a devoção do Sagrado Coração. E foi assim que, depois de algum tempo, esta mensagem estava espalhada por todo o mundo católico.

Faleceu com apenas quarenta e três anos de idade, no dia 17 de outubro de 1690, em Paray-le-Monial, na sua França. Foi canonizada em 1920, pelo Papa Bento XV. Santa Margarida Maria de Alacoque teve a data de sua festa litúrgica antecipada por um dia para não coincidir com a de Santo Inácio de Antioquia.