Capas para Facebook

Adicionar artigo ao twitter

Santo do dia 27 de Outubro




Santo do dia 27/10

Santo Elesbão

No século VI a nação etíope situada a oeste do Mar Vermelho possuía seus maiores limites de fronteira, era um vasto reino que incluía outros povos além dos etíopes. O soberano era Elesbão, rei católico, contemporâneo do imperador romano Justiniano, muito estimado por todos os súditos e seu reino era uma fonte de propagação da fé cristã.

O reino vizinho, formado pelos hameritas, era chefiado por Dunaan, que renegara a fé convertendo-se ao judaímo. Nesta ocasião mandou matar todos os integrantes do clero e transformou as igrejas em sinagogas, tornando-se temido e famoso por seu ódio declarado aos cristãos.

Por isso, muitos deles, inclusive o arcebispo Tonfar, buscaram abrigo e proteção nas terras do rei Elesbão, pois até a própria esposa de Dunaan, chamada Duna foi morta por ele, juntamente com as filhas, por ser cristã. Os registros indicam que houve um verdadeiro massacre onde morreram cerca de quatro mil cristãos.

Elesbão decidiu reagir àquela verdadeira matança imposta aos irmãos católicos e declarou guerra a Dunaan. Liderando seu povo na fé e na luta, ganhou a guerra e a vizinhança passou a ser governada pelo rei Ariato, um cristão fervoroso.

Mas ele teve de vencer outra batalha ainda maior além dessa travada contra o inimigo, aquela contra si mesmo. Depois de um curto período de muita oração e penitência, aceitou o chamado de Deus. Abdicou do trono em favor do filho, seu sucessor natural, e dividiu seus tesouros entre os súditos pobres. Assim Elesbão partiu para Jerusalém, onde depositou sua coroa real na igreja do Santo Sepulcro e se retirou para dentro do deserto, vivendo como monge anacoreta, até morrer em 555.

No Brasil, a partir dos escravos, foi muito difundida a devoção de Santo Elesbão, o rei negro da Etiópia. Sua festa é celebrada em todo o mundo cristão, do ocidente e do oriente, no dia 27 de outubro, considerado o de sua morte.
 

São Frumêncio

Frumêncio foi o primeiro bispo missionário da Etiópia. Mas, até que isso acontecesse, sua vida foi marcada por lances inesperados. Estes o levaram de discípulo de filósofo a conselheiro do rei, preferido da rainha, professor do futuro rei e, finalmente, bispo.

Era o tempo do imperador Constantino e Frumêncio estava entre os discípulos na comitiva que acompanhava um filósofo. Voltavam de uma viagem à Ìndia e a embarcação parou no porto de Adulis. Foram atacados então por ladrões etíopes que saquearam o barco e mataram todos os passageiros e tripulantes. Todos foram mortos, menos Frumêncio e outro adolescente, Edésio. Eles não morreram por um motivo prosaico: estavam sob uma árvore, entretidos na leitura de um livro. Sobreviveram, mas foram levados ao rei como escravos.

Depois de conversar com eles e se admirar com sua sabedoria, o rei Axum resolveu mantê-los no palácio. Edésio como copeiro e Frumêncio como secretário direto. Sua influência cresceu na corte, principalmente junto à rainha que, ao tornar-se viúva e assumir o poder, entregou-lhe a educação de seu filho, futuro rei. Tempos depois, Frumêncio e seu companheiro conseguiram da rainha ordem para construir uma igreja próxima ao porto. Foi uma semente que germinou rápido na expansão do cristianismo.

Tiveram permissão, então, de voltar à pátria. Findo o tempo da escravidão, enquanto Edésio se dirigia a Tiro, onde um historiador registrou toda a aventura, Frumêncio foi a Constantinopla. Queria que o bispo Atanásio designasse um bispo missionário para comandar a pregação católica na Etiópia. Atanásio não se fez de rogado e nomeou o próprio Frumêncio. Reinava então na Etiópia o rei Exana, grande amigo de Frumêncio e um dos primeiros a se converter, convencendo todo o povo a acompanhá-lo.

São Frumêncio, chamado pelos etíopes de "Abba Salama", levou sua missão de missionário até os cem anos de idade.