Capas para Facebook

Adicionar artigo ao twitter

Santo do dia 30 de Setembro




Santo do dia 30/09

Santa Terezinha

Gregório, nasceu na cidade de Valarxabad, por volta do ano 257, na Armênia. Seu pai matou o rei da Armênia, seu parente, numa conspiração com o reino da Pérsia, que assumiu o poder. Os soldados armênios encontraram o assassino do monarca e o executaram com toda a família, exceto o filho de um ano de idade, Gregório. O rei persa assumiu o trono a Armênia, não sem antes matar toda a família real. Entretanto, o príncipe sucessor Tiridates e sua irmã, ainda crianças, conseguiram ser poupados, sendo enviados para Roma. Alí receberam uma educação pagã digna da nobreza da época. O pequeno monarca recebeu também esmerada formação militar, destacando-se pela valentia.

Ao mesmo tempo, Gregório foi enviado para a Cesarea da Capadócia, onde recebeu educação e formação cristã. Aos vinte e dois anos de idade se casou com uma jovem também cristã e teve dois filhos: Vertanes e Aristakes. Depois de sete anos, o casal de comum acôrdo interrompeu a vida matrimonial. Ela foi viver retirada num convento, mas sem vestir o hábito. Ele se ordenou sacerdote e partiu da Cesarea. Em 287, por interesse do Império Romano, que desejava tirar a Armênia do poder dos persas, Tiridates foi enviado com soldados romanos para retomar o trono que era seu por direito. Curiosamente, nesse exército estava também Gregório, que era seu colaborador e conselheiro particular.

Vitorioso, ele se tornou Tiridates III, rei da Armênia. Para agradecer a reconquista mandou que Gregório fosse pessoalmente oferecer flores e incenso aos deuses, no templo pagão. Como negou obedecer a ordem por ser cristão, o rei mandou tortura-lo. Mas a situação de Gregório ficou muito pior ao ser denunciado como o filho do assassino do pai do rei. Revoltado o monarca mandou intensificar as torturas e depois joga-lo no fundo da masmorra mais profunda da Armênia, onde ficou no esquecimento.

Quinze anos mais tarde, Tiridates III contraiu uma doença contagiosa incurável e sofria muitas dores. Nessa ocasião, a princesa sua irmã teve dois sonhos reveladores, neles uma voz lhe dizia que a única pessoa capaz de curar o rei, era Gregório. Assustada, mesmo acreditando que ele já havia morrido, enviou um mensageiro à masmorra, que o descobriu ainda vivo.

Gregório foi libertado e curou milagrosamente o rei da doença contagiosa, através das orações cristãs. Tocado pela fé, Tiridates III se fez batizar, juntamente com toda sua família, sua corte e seu povo. Assim, a Armênia que fora evangelizada, segundo a tradição, pelos apóstolos Bartolomeu e Tadeu, se tornou a primeira nação oficialmente cristã em 301, por obra de Gregório o iluminador, como passou a ser chamado.

Ele se tornou o bispo da Capadócia e um dos maiores líderes da Igreja Armênia, cuja sede apostólica, a catedral de Etchmiadzin, construiu em 303. Mandou chamar seus dois filhos para auxilia-lo. Depois, já cansado e com a sensação do dever cumprido, ele foi sucedido pelo seu filho Aristakes como chefe supremo dos cristãos, mas ele morreu antes do pai. Então quem assumiu o comando da sede episcopal foi o outro filho, Vertanes. Dessa maneira Gregório pôde, enfim, realizar seu grande sonho que era o de se retirar para um lugar solitário e viver apenas de oração e penitência, até a morte em 332.

São Gregório o iluminador é venerado não somente como o apóstolo e padroeiro da Armênia, mas também como evangelizador das Igrejas síria e greco-ortodoxa. Na masmorra onde ele ficou preso e esquecido, foi construído o mosteiro de Khor Virap, que significa "poço profundo", para preservar o local original a quarenta metros de profundidade.
 

Santo Gregório - o iluminador

Comemoramos no dia 30, São Jerônimo, que nasceu na cidade de Estrido, Dalmácia por volta do ano 340. Em Roma estudou gramática, retórica e filosofia dentre muitos outros cursos. Foi um dos grandes escritores de seu tempo. Capaz de pensar em latim, grego e hebraico, escritor de estilo rico, puro e robusto ao mesmo tempo.

Romano de formação converteu-se ao cristianismo e decidiu tornar-se monge. Partiu para a Síria e entregou-se a uma vida de penitência e oração. Convenceu-se, no entanto de que sua verdadeira vocação era servir a Igreja como escritor. Procurou então conciliar a vida monástica com o ofício de escrever.

Sua dedicação total aos estudos, reflexão e autodisciplina deram um grande fruto para a Igreja, propiciaram a tradução dos textos originais da Sagrada Escritura para o latim do Antigo e do Novo Testamento, que se tornou, com o título de Vulgata, a Bíblia oficial do Cristianismo. São Jerônimo recebe o título de Doutor da Igreja e de "Doutor Máximo das escrituras".

Infelizmente, aqui no Brasil, algumas seitas usam indevidamente sob um "sincretismo" a imagem de São Jerônimo, enganando e fazendo o povo acreditar que um de seus falsos deuses/espíritos se apresentam na forma de São Jerônimo.